Korui realiza doação de coletores menstruais no sertão mineiro

DSC_0326

Já imaginou como seria ficar menstruada pela primeira vez e não ter acesso a coisas simples como absorventes? Nada fácil, não é? Mas graças à responsabilidade social da Korui, produtora de absorventes de pano e coletores menstruais, e à parceria com o Projeto Raízes, esta situação está prestes a mudar para algumas brasileiras! A empresa doará coletores menstruais para meninas e mulheres do sertão mineiro.

Um dos maiores problemas que elas vivenciam é justamente a falta de soluções higiênicas para lidar com o período menstrual. Se não tem condições de comprar absorventes, elas acabam tendo que usar qualquer outra coisa que conseguem encontrar, incluindo panos velhos, jornais, folhas, guardanapos ou até miolos de pão. Além de não funcionar, estas alternativas podem gerar diversos tipos de infecções, sem mencionar o quão desconfortável é o uso. E em muitas situações não se tem acesso nem a calcinhas apropriadas para segurar estas proteções improvisadas. Em virtude de toda esta dificuldade, algumas destas meninas acabam forçadas a ficar em casa e não frequentar a escola durante o período menstrual.

Os coletores menstruais Korui são feitos de silicone medicinal e são inseridos no canal vaginal para coletar o sangue menstrual. Eles não absorvem, então não alteram a flora vaginal e são considerados opções muito mais saudáveis para o corpo feminino. Diferente dos absorventes descartáveis, os coletores menstruais não possuem químicos, não assam, não irritam e são totalmente hipoalergênicos.

Quando inserido corretamente, o coletor menstrual cria um vácuo que impede vazamentos. Ele proporciona até 12 horas de proteção, o que faz com que as meninas e mulheres possam viver sem se preocupar com a menstruação. Elas podem se sentar confortavelmente, podem andar, correr e participar normalmente das atividades do dia a dia. Além disso, o coletor menstrual pode ser reutilizado. Sua durabilidade é tão alta que pode chegar a 10 anos! Isso faz dele uma opção econômica, inteligente e sustentável. Para mulheres que não vivem em situações precárias ele proporciona uma menstruação simples e livre. E em regiões de extrema pobreza eles são capazes de mudar completamente a vida de uma menina!

O coletor também permite um contato mais próximo com o próprio corpo. Quando meninas e mulheres conhecem o próprio corpo elas entendem melhor como ele funciona, a menstruação deixa de ser um problema e passa a ser apenas um processo natural e saudável. Isso gera mais segurança, mais confiança e ajuda a quebrar os tabus da menstruação.

As doações da Korui fazem parte de seu compromisso social de doar 1 coletor menstrual a cada 10 vendidos. Em 2017, elas estão sendo realizadas em parceria com o Projeto Raízes, de origem mineira, que tem experiência de mais de 10 anos em comunidades. A ação foi batizada de “Dona do meu Fluxo” e está prevista para acontecer entre os dias 15 e 25 de julho, onde meninas e mulheres do Norte de Minas e Vale do Jequitinhonha receberão coletores menstruais, treinamento sobre o uso e informações sobre a menstruação. Tudo isso acontecerá no formato de workshops.

 “Uma das grandes vantagens é que um coletor dura 10 anos. E nessas comunidades muitas vezes o preço do absorvente é significativo. Então, se você puder ficar 10 anos sem comprar absorventes, olha só que maravilha! Além disso é mais higiênico, é um contato diferente que a mulher tem com o próprio corpo, e é mais sustentável também. Você não vai gerar aquele tanto de lixo” explica uma das idealizadoras do projeto e sócia-diretora da Raízes, Mariana Madureira.

A seleção das meninas e mulheres beneficiadas durante as doações também aconteceu com o auxílio do Projeto Raízes, que já atua e conhece bem as necessidades sociais do sertão mineiro. Os workshops já estão confirmados em 9 comunidades. O primeiro vai acontecer na Chapada Gaúcha, no norte de Minas, e tem como parceiro local de mobilização o Instituto Rosa e Sertão. Os demais acontecerão nas demais localidades, que incluem Uruana, Sagarana, Campo Buriti, Coqueiro Campo e muitas outras.

Você pode saber mais sobre o trabalho desenvolvido por ambas as organizações no site da Korui e no site da Raízes.

E você? O que achou do projeto? O que acha da doação de coletores menstruais no Brasil? Tem alguma dúvida ou sugestão? Deixe um comentário e compartilhe sua opinião com a gente! 🙂

DEIXE UM COMENTÁRIO